O que é confiança?

A confiança é estrela-guia de nossas escolhas e ações

Nossas relações mais significativas, por mais estreitas que sejam, precisam – e merecem – de uma ajuda para se consolidar ou se manter. Um de nossos vínculos mais fortes e importantes é, justamente, a confiança. Existem poucas dimensões psicológicas tão vitais, nutritivas e, ao mesmo tempo, tão complexas quanto ela.

A autoconfiança, um de seus níveis, reflete a percepção de nossa capacidade de agir, ter sucesso em algo ou tomar decisões acertadas.

 A confiança interpessoal deve ser compreendida como uma competência comportamental que nos permite aceitar ou não sermos vulneráveis ao depender das ações de outras pessoas.

Imagine se você precisasse visitar a cozinha antes de se sentar para comer em qualquer restaurante que vai. Ou se tivesse que ver o diploma de cada médico que o trata.

A confiança, então, reside de forma implícita em toda atividade que realizamos em nosso cotidiano. 

Entrar em um táxi implica confiar no motorista. Votar em algum candidato implica acreditar que o alvo de seu voto é capaz de representar seus ideais. Delegar sua determinação significa administrar a confiança. 

Dessa forma, pode-se entender como a confiança afeta e é afetada por todas as áreas de nossas vidas de forma.

Por exemplo: é muito difícil ser confiante no trabalho quando se atravessa um momento complicado na vida pessoal, como um divórcio ou uma perda familiar; é difícil também ser confiante na vida pessoal quando se está em uma situação delicada no trabalho, como uma demissão iminente por conta de resultados insuficientes. 

Quando a confiança vem a faltar...

  1. Uma organização sem forte marca de confiança perde sua atratividade e vê cair o engajamento em suas equipes;

  2. Um dirigente que não implementa a confiança em sua empresa, perde a oportunidade de conquistar boas performances;

  3. Um gerente que não gera confiança na equipe, faz com que seus colaboradores desconfiem de sua gestão e não façam o trabalho;

  4. Uma pessoa sem autoconfiança se deixará guiar por seus medos e não por suas necessidades.

Sem fórmula mágica, métodos baseados em estudos

Níveis de confiança: como me relaciono?

 

Autoconfiança

É acreditar no próprio potencial. Ela traz um sentimento de convicção quanto à própria capacidade de sucesso, independentemente dos contextos e das situações externas. Ela permite decidir e depois agir com coragem e determinação.

Confiança dada

É acreditar no outro, lhe dar oportunidade de responder à altura das expectativas e encorajar a alcançar resultados. Esta confiança é relacionada às características da relação e não se limita às competências técnicas

Confiança recebida

É sentir que os outros acreditam em você e no seu potencial de alcançar resultados. Ela também é relacionada às características da relação e não se limita às competências técnicas.

Dimensões de confiança e suas dicotomias: o que faço?

As dimensões de confiança são divididas em nove níveis e suas dicotomias são separadas em duas categorias: as que promovem confiança e as que geram desconfiança, respectivamente. Sendo assim:

  • Fé x Ceticismo;
  • Autenticidade x Dissimulação;
  • Perdão x Rancor;
  • Empatia x Indiferença;
  • Foco x Dispersão;
  • Responsabilização x Evasão;
  • Coerência x Incoerência;
  • Cooperação x Individualismo;
  • Aprendizagem x Imobilismo.

Escala de confiança: como se apresenta?

A escala de confiança  define como cada pessoa pode se relacionar com sua autoconfiança, podendo ser utilizada de maneira positiva ou negativa em suas relações sociais. Ela se apresenta entre cinco graus separados por porcentagens de confiança, sendo:

  • Desconfiança/Perigo (0% – 20%): neste grau de desconfiança, a pessoa pode se tornar hostil e reagir com agressividade às investidas de aproximação;
  • Desconfiança/Fuga (21% – 40%): aqui, a pessoa pode recuar ou até se distanciar de outras mediante tentativas de conexão;
  • Prudência/Cautela (41% – 60%): neste estado, a pessoa pode tomar o tempo que julgar necessário para avaliar decisões e tomar partido quanto a como interagir;
  • Confiança/Competência (61% – 90%): neste grau de confiança, a pessoa pode promover os resultados de modo consciente e consistente, se engajando proativamente;
  • Confiança/Área AIC (91% – 100%): por fim, neste grau, a pessoa pode tornar-se arrogante ou ingênua, entretanto, ou simplesmente aproveitar uma confiança consolidada.

Ambientes mais impactados: onde acontece?

Os ambientes são os locais onde os níveis de confiança (sejam altos ou baixos) têm mais poder de impacto, sendo divididos em três âmbitos principais e suas derivações: 

  • Corporativo: Organização e Trabalho; Hierarquia; Equipe; Clientes e Parceiros; 
  • Empreendedor: pessoal e profissional; 
  • Vida pessoal: Família e Amigos.